PROJETO (QUASE) USHUAIA 2018 – 8º dia

Data: 22/10/2018
O dia de hoje foi decisivo, pois foi o dia em que tivemos que tomar decisões difíceis e mudar todos os planos da viagem. Às 9h, após o café da manhã, fomos à casa de câmbio, e trocamos 500 dólares (17.700 pesos argentinos), 350 euros (147,70 pesos argentinos) e 444 pesos argentinos (8.000 pesos chilenos), pois era o dia de cruzar a fronteira. Voltamos ao hostel e começamos a carregar a moto para partirmos, quando percebemos dois raios da roda traseira quebrados. Isso não é nada bom. A moto está mais pesada, com garupa e ainda tínhamos muito chão pela frente. Mas a prioridade era tentar consertar os raios.

 

O pessoal do hostel nos indicou uma oficina, mas eles não poderiam consertar naquele dia, teríamos que passar mais um dia ou dois em San Martín. Decidimos ir até Bariloche, que era a 190 km dali e, como uma cidade maior, teria mais estrutura para nos atender.
Pegamos a RN40 e fomos com cuidado, preocupados. Mas conseguimos, ao menos, aproveitar um pedaço do Caminho dos 7 Lagos. O gasto de gasolina hoje foi 300 pesos (9,50 litros). Os 7 lagos que formam este caminho, na verdade, não são exatamente 7. Oficialmente são formados pelos Lagos Lácar, Machónico, Falkner, Villarino, Escondido, Correntoso e Espejo. Porém, os lagos Espejo Chico, Traful e Hermoso também servem como um “bônus”, é que eles não ficam bem à margem na Ruta 40, é preciso fazer pequenos desvios para acessá-los. E ainda tem o Nahuel Huapi, que banha Bariloche e é tão bonito quanto os outros. Nós paramos nos miradores dos lagos Lácar, Machónico, Correntoso e Nahuel Huapi, no parque nacional que leva o mesmo nome,

 

Lago Lácar

Lago Machónico

Lago Correntoso

No meio do caminho fomos conversando e tomamos uma decisão importante. Estamos planejando e nos preparando (física, mental e financeiramente) há praticamente um ano para esta viagem até Ushuaia, era importante para nós conseguir chegar até lá. A gente divulgou, pediu para as pessoas acompanharem, imaginamos que daríamos dicas sobre Torres Del Paine, e estávamos mesmo ansiosos para conhecer El Calafate, o Glaciar Perito Moreno, as Catedrais de Mármore, a Carretera Austral e Ushuaia. Mas às vezes as coisas não acontecem como a gente planejou e a gente tem que tomar decisões rápidas e tentar fazer o melhor com o que deu para fazer.

 

Parque Nahuel Huapi. Já estamos próximos a Bariloche.

 

Em 2016 passamos a nossa lua de mel em Bariloche, mas foi um outro tipo de viagem, foi de avião, ficamos em um hotel 5 estrelas, saímos para jantar, tudo de acordo com uma boa lua de mel. Mas, na época, já dizíamos que um dia voltaríamos ali, só que de moto e ficaríamos em hostel, bem o tipo de viagem que fazemos agora. E talvez, por acaso, esse dia pode ter chegado. Já estamos atrasados no nosso planejamento e o gasto diário esta acima do programado. De qualquer forma teremos que gastar tempo e dinheiro para consertar a roda, não há condições de seguir viagem assim e ainda mais com  2.000 km pela frente. E se acontecesse de novo? E se quebrassem mais raios em lugares sem estrutura? Não sabemos como isso aconteceu, mas, depois de muito ponderar, decidimos gastar o restante do tempo e do dinheiro fazendo uma segunda lua de mel em Bariloche, visitando os lugares que não nos foi possível em 2016.
Ao fundo, San Carlos de Bariloche.

Encontramos no Booking o Universal Traveller Hostel, ficava relativamente perto do centro e o preço estava maravilhoso. Ficamos uma semana inteira por 3.500 pesos, foram 690 pesos por dia. Conseguimos um quarto de casal, o pessoal do hostel muito atencioso e nos recomendou uma oficina mecânica para levarmos a moto.
Hostel Universal Traveller Lodge
Nos acomodamos, tomamos um banho e fomos jantar em um lugar que já havíamos gostado na lua de mel, o Rock Chicken. Bom, barato (tudo deu 370 pesos), cerveja gelada e um bife de chorizo assado no ponto. Já está tudo ficando melhor.
Rock Chicken
Salud
A despesa total do dia foi de 1.722,50 pesos (173 reais). Mas sabemos que a partir de amanhã vai aumentar um pouco, então vamos ter que reavaliar nosso orçamento da viagem. Mas vai dar tudo certo. Sempre dá. Vamos tirar a semana de folga, até para se reorganizar psicologicamente, mas tentaremos mostrar aqui lugares bacanas que iremos conhecer. Talvez dessa vez possamos ir ao Cerro Catedral, em 2016 não foi possível, só conseguimos ir ao Cerro Campanário. E nem estava nevando. Até a proxima!

PROJETO (QUASE) USHUAIA 2018 – 6º e 7º dia

Data: 20 e 21/10/2018
Saímos de Villa Regina abaixo de chuva, já estávamos acostumando. Hoje o trajeto é mais longo. São 526 km até San Martín de los Andes, já na província de Neuquén. Seguimos pela RN22 até Zapala, onde ela cruza com a RN40.

 

Saída do hotel em Villa Regina.
Mapa do trecho Villa Regina (Río Negro) a San Martín de los Andes (Neuquén).
Antes de entrarmos na RN40 paramos para abastecer, enchemos 9,80 litros por 370 pesos.

 

Nem chegamos na metade do caminho e ela já está assim.
E então entramos na famosa Ruta 40. Não podemos dizer qual é o estado dela de forma geral, até porque esta rodovia percorre 5.524 km e cruza 11 províncias argentinas, de sul a norte do país, mas um bom pedaço deste trecho entre Río Negro e Neuquén não estava nada bom. Chegou uma hora em que os carros preferiram andar pelo acostamento por um bom tempo, pois ali estava melhor para circular, tamanha buraqueira. Mas depois as condições melhoraram, assim como o tempo.
Trecho da Ruta Nacional 40 entre Río Negro e Neuquén.

Como planejamos tirar um dia de folga em San Martín de los Andes, reservamos 2 dias de hospedagem no Puma Hostel. Os dois dias saíram por 2.600 pesos.

 

Puma Hostel em San Martín de los Andes.
Vista do quarto para o estacionamento (gratuito).
Foi possível estacionar a moto bem em frente à nossa janela.
Eles aceitam pagamento em dólar, e até cogitamos essa possibilidade, pois nossos pesos argentinos estavam acabando. E, para completar, como era um sábado, a casa de câmbio já estava fechada e só abriria na segunda-feira, a partir das 9h. Mas o pessoal do hostel nos deixou acertar tudo segunda-feira, após trocar dinheiro. O hostel tem uma estrutura muito boa, ótimo atendimento e ótimas instalações, atendeu muito bem às nossas necessidades.
A cidade de San Martín de los Andes também é muito charmosa, fica no início do Caminho dos 7 lagos, é bem semelhante à Bariloche, tem esse clima bem característico.

Tiramos um dia de folga passeando pela cidade e nos abastecendo no supermercado, afinal, utilizamos bastante a cozinha do hostel. Nossas despesas totais nesses dois dias foram de 3.890 pesos (394 reais).
Cozinha do hostel.
Quando sairmos de San Martín de los Andes, vamos percorrer o Caminho dos 7 Lagos, mas vamos interromper antes de Villa la Angostura, para pegar a RN231 e cruzar a fronteira para o Chile até Puerto Varas. Como já sabemos que a aduana chilena costuma ser bastante rígida, temos que nos preparar e sair bem cedo. Nos desejem sorte! Abraços e pé na estrada!